Como adaptar a sua casa em escritório para ser mais produtivo

Transformar uma casa em escritório pode ser uma excelente maneira de melhorar a produtividade do home office.

Isso porque, muitas pessoas estão trabalhando em casa, mas têm sentido dificuldade em manter a produtividade.

Uma repaginada no ambiente, pode ajudar a melhorar o dia de trabalho, além de proporcionar mais conforto e bem-estar.

Pensando nisso, neste artigo, vamos dar algumas dicas para que você consiga adaptar um cômodo da sua casa, tornando-o um ambiente ideal para a sua rotina.

A importância de um local exclusivo

Trabalhar em casa pode ser sinônimo de dificuldades para algumas pessoas, principalmente por conta do local de trabalho. 

Nem sempre temos um espaço exclusivo para isso, mas essa realidade não precisa ser um problema.

Para que você consiga fazer um bom home office, em primeiro lugar, é importante ter um local para trabalhar, não precisando ser necessariamente em um lugar exclusivo. 

No início, pode ser difícil encontrar um ambiente adequado para as atividades do dia a dia, mas com itens simples, como uma luminária para quarto é possível começar a fazer as mudanças necessárias.

Como adaptar um cômodo para trabalhar

Agora que diversas pessoas foram obrigadas a mudar a maneira como trabalham, muita gente se viu na necessidade de fazer algumas mudanças para manter a rotina de trabalho. 

E a tendência é que essa nova realidade permaneça para muitos profissionais.

Muitas organizações estão vendo no home office uma excelente maneira de economizar e poupar investimentos em espaço físico, por isso, o ideal é colocar em prática dicas como:

  • Separar um canto de um cômodo;
  • Analisar a iluminação;
  • Respeitar os horários de trabalho;
  • Tentar manter uma rotina.

Feito isso, é hora de providenciar as adaptações, sem precisar de uma reforma predial. E algumas dicas são:

1 – Escrivaninha como mesa de apoio da cama

Seja por falta de espaço ou porque o profissional não deseja olhar para o “escritório” quando estiver na cama, uma boa dica é colocar uma mesa de trabalho no lugar de uma mesa de apoio.

Essa ideia aproveita melhor o espaço disponível e evita que a pessoa tenha contato visual com papéis, computador e outros itens em seus momentos de descanso.

2 – Espaço definitivo de trabalho

Para quem definitivamente trabalha dessa maneira e não pretende voltar a trabalhar fora de casa, uma boa dica é dedicar uma parede toda para o espaço de trabalho.

Pode ser na sala ou no quarto, no entanto, é importante lembrar que, se for um local definitivo, precisa ser em um ambiente silencioso onde o profissional possa se concentrar.

Uma boa ideia é dispor uma mesa que ocupe toda a largura de uma das paredes. 

Dessa forma, é possível organizar todos os materiais de trabalho, como computador, impressora, papéis etc.

Para deixar o espaço ainda mais confortável, usar papel de parede vinílico é uma boa dica, pois ele deixa o ambiente mais bonito para o dia a dia de trabalho.

3 – Móveis confortáveis

Os móveis precisam ser ergonômicos, isto é, que otimizem o bem-estar do colaborador. 

Por isso, se o orçamento estiver um pouco apertado, invista pelo menos em uma boa cadeira, para que sua coluna não seja prejudicada.

4 – Ambiente menos poluído

Lembre-se de que o escritório vai dividir espaço com a sala ou quarto, por isso, quanto mais organizado ele for, menos poluição visual ele causa.

Conclusão

Transformar um espaço em escritório para o trabalho auxilia na concentração nas tarefas e também em outros momentos, como na hora de ler um livro ou estudar.

É uma maneira de aproveitar todo o conforto do lar para melhorar a produtividade em qualquer atividade, com um home office muito agradável.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

O que falta para o seu site possuir um maior número de tráfego?

Com o crescimento do marketing digital em relação às demais modalidades de publicidade, um dos esforços mais importantes da atualidade é o de conseguir mais tráfego no seu site.

De fato, uma página sem pageviews é uma página que não conseguiu realizar seu principal objetivo: chegar às pessoas do público-alvo. Sem tráfego não há leitores, nem engajamento, nem oportunidades.

Afinal, se um site não tem visitantes, então ele também não gera leads, portanto não é capaz de trazer mais contatos, mais clientes e mais vendas para o seu negócio.

Você prefere ter uma loja física de vidro para janela na qual ninguém entre, ou que esteja sempre cheia de gente? Pois é. Não gerar tráfego equivale a manter um estabelecimento comercial no qual não entra ninguém durante o dia.

É claro que, normalmente, nem todos que entram, realizam uma compra. Mas também é óbvio que este é o primeiro passo, não é mesmo? 

No mundo digital essa visitação é chamada de “tráfego”.E se você quer entender melhor sobre esse assunto, siga adiante na leitura.

Quais os tipos de tráfego existem atualmente?

O primeiro passo é compreender que existem vários tipos de tráfegos, e não adianta sair atirando para todo lado sem antes ter um planejamento.

As modalidades mais buscadas hoje são as seguintes:

  • Tráfego direto;
  • Tráfego de referência;
  • Tráfego social;
  • Tráfego orgânico;
  • Tráfego pago.

O tráfego direto é o sonho de todo mundo, pois trata-se daquele visitante que chega ao seu site sem intermediários, escrevendo seu domínio na barra de endereço. 

As dicas para conseguir esse feito vão desde ter um nome amigável, até investir em cartões de visita.

O tráfego de referência também é pouco explorado, e consiste em duas estratégias principais e fundamentais: geração de conteúdo de qualidade e guest post.

Todo empreendedor entende do seu próprio nicho, seja ele um segmento de roupas ou de ferros industriais. Mas ser uma referência implica saber transmitir sua autoridade, através de conteúdos originais, relevantes e gratuitos para o seu público.

Depois disso é que vem o guest post: não fique numa bolha, faça networking com outros canais e troque conteúdos com eles, publique os artigos deles e vice-versa, troque links entre as páginas. Isso é o que aumentará seu tráfego de referência.

Quais os principais tráfegos e como crescer neles?

Atualmente, o foco das estratégias recai sobre o tráfego social, que como sugere o nome é o das redes sociais, bem como no tráfego orgânico ou pago.

A regra de ouro sobre mídia social é entender a proposta: algumas redes exploram textos curtos, outras, textos maiores; algumas exploram fotos, outras, vídeos. Algumas focam em mensagens instantâneas, até com limite de caracteres.

Todas elas exigem boa interação com o público e qualidade de conteúdo (como discutido acima). Mas suas publicações vão impactar os usuários, além de gerar engajamento e compartilhamento, quando a qualidade estiver em sinergia com o formato proposto.

O tráfego orgânico remete, sobretudo, aos grandes buscadores, como Google, Bing e Yahoo. Assim, para que o leitor e futuro cliente encontre seu site ao pesquisar algo como georreferenciamento urbano, você precisa fazer SEO, que é a otimização de páginas.

O bacana sobre tráfego orgânico e pago é que você pode tocar ambos ao mesmo tempo. 

Assim, enquanto suas palavras-chave principais vão ganhando bom ranqueamento, você também investe financeiramente no impulsionamento de algumas.

Trata-se dos links patrocinados, que também podem aumentar incrivelmente seu tráfego.

A regra de ouro aqui é, finalmente, aproveitar a customização, que permite personalizar desde o orçamento até as regiões e horários em que seus anúncios aparecerão. Com isso vimos as principais dicas de geração de tráfego.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

O que a sua empresa pode melhor absorver do home office?

O home office sofreu um crescimento acelerado nos últimos meses, devido à pandemia do novo coronavírus. Mas o fato é que essa modalidade de trabalho já era uma tendência e acabou se concretizando antes do previsto.

Apesar das empresas terem de se adaptar rapidamente a essa nova realidade, ela acabou trazendo mudanças positivas e ampliando a capacidade de trabalho das empresas e das pessoas.

Por isso, neste artigo, vamos falar um pouco sobre o home office e o que as empresas podem aprender de positivo com esse modelo de trabalho.

Como funciona o home office?

Quem atua com home office, trabalha em casa ou em espaços alternativos, com cafés e coworking. É uma modalidade comum com entre freelancers, autônomos ou empresas que adotam esse modelo, como no caso de muitas atualmente.

É uma boa escolha para quem está começando o próprio negócio e não quer usar a fórmula tradicional de trabalho. A vantagem é que essa opção traz muitas vantagens, como:

  • Independência;
  • Menos estresse;
  • Alimentação mais saudável;
  • Liberdade profissional;
  • Qualidade de vida;
  • Mais economia para a empresa.

Mesmo em meio a tantos benefícios, algumas empresas enfrentam seus desafios, afinal, boa parte delas ainda está se adaptando. E é isso o que trará muitos aprendizados para as organizações.

Aprendizados positivos do home office

Tantos desafios frente à essa nova realidade, trouxeram muitos aprendizados para as organizações. Por exemplo, se antes elas podiam contar com salas para treinamento, hoje não é mais necessário, por conta do distanciamento social.

No entanto, podem fazer suas atividades de maneira remota, usando alguns softwares que, inclusive, são encontrados gratuitamente. Mas dentre os pontos positivos que podem ser absorvidos estão:

1 – Fluidez na comunicação

A comunicação é algo importante para qualquer empresa, por diversos motivos, tais como:

  • Alinhar as equipes;
  • Organizar o fluxo de trabalho;
  • Atingir metas e objetivos;
  • Garantir a qualidade dos processos.

Só que para conseguir mais fluidez, é importante se atentar a alguns pontos necessários para qualquer organização, desde aquelas que fabricam equipamentos para impressão de fotos digitais, até os mais variados tipos. Por isso é importante:

Criar uma rotina de diálogo

A empresa deve garantir que nenhum colaborador se sinta excluído ou sozinho. 

É necessário desenvolver um planejamento de ações para manter essa proximidade, para uma comunicação constante e natural.

Uma rotina de reuniões é uma boa dica, e elas devem ser feitas com uma periodicidade mais próxima possível das que eram feitas pessoalmente.

2 – Suporte sempre disponível

Assim como o home office é uma novidade para algumas empresas, também é uma novidade para os colaboradores. Por isso, é natural que ele precisem de suporte mais vezes do que o normal.

Eles não poderão contar com recursos como equipamentos de telão home theater, infraestrutura de apoio ou outras disposições que as organizações costumam oferecer. 

Tudo isso será adaptado a um novo formato, estando cada funcionário em um local diferente, neste caso, em suas respectivas residências.

O suporte também pode ser feito à distância, e para isso, a empresa pode optar pelos feedbacks constantes e criar um canal de comunicação exclusivo para ajudar os colaboradores.

Conclusão

Adotar essas estratégias é uma ação muito positiva para as empresas, pois elas podem continuar produzindo, sem colocar em risco a saúde de todos os seus profissionais.

Além disso, a experiência com o modelo de trabalho home office vai expandir a capacidade de organização da empresa, oferecer a ela uma modalidade mais econômica e torná-la mais resiliente frente eventuais desafios.

É uma forma de estar preparado para essas situações e ter a oportunidade de oferecer maturidade e crescimento aos colaboradores, que também estão descobrindo capacidades que não conheciam.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Investimento em mídia online, descubra por onde começar

O investimento em mídia online cresceu muito nos últimos anos, devido ao avanço da internet e a mudança de comportamento das pessoas (que buscam por produtos e serviços em ambientes digitais).

Caracteriza-se como mídia online qualquer espaço publicitário, site ou veículo de comunicação na internet, que oferece a oportunidade de divulgação de produtos ou serviços para empreendimentos.

Desse modo, assim como ocorre nos meios tradicionais, como um papel timbrado empresa, jornais, revistas ou comercial de rádio, a intenção da mídia online é promover algo, porém com anúncios feitos na internet.

No artigo de hoje, descubra por onde começar a investir em mídia online e quais são os benefícios da estratégia para a sua empresa.

Por que investir em mídia online?

De acordo com a pesquisa TIC Domicílios, o número de brasileiros com acesso a internet tem crescido exponencialmente, com mais de 70% da população conectada, o que é equivalente a 126,9 milhões de pessoas.

Com esses números, já é possível ter uma ideia da importância das plataformas online para a divulgação dos negócios. 

Hoje em dia, praticamente todos os tipos de negócio estão na internet: desde uma empresa de demolição, até lojas de roupas e profissionais autônomos.

Além disso, o próprio comportamento do consumidor está mudando frente às novas tecnologias. A longo prazo, espera-se que a aplicação do Marketing Digital será inevitável e grande parte dos investimentos serão destinadas às mídias online, superando as mídias offline.

Afinal, mesmo quando o seu público-alvo não utiliza a internet para realizar compras, a tendência é que esse cenário se modifique aos poucos e, no futuro, a sua audiência irá procurar por produtos e serviços online.

3 dicas de investimento em mídia online para sua empresa

Uma das grandes vantagens de investimento em mídia online é a diversidade de formatos. Mas, para alcançar bons resultados, é preciso focar em planejamento. 

A seguir, separamos algumas dicas de como começar a divulgar sua empresa na internet. Confira!

1 – Redes sociais

As redes sociais tomam conta da internet. Por isso, os empreendedores digitais que estão começando agora podem começar com a criação de perfis corporativos e fanpages para a divulgação de seus negócios. As alternativas são:

  • Páginas no Facebook;
  • Conta comercial no Instagram;
  • Conta comercial no Twitter;
  • Página no LinkedIn.

Há uma grande infinidade de redes sociais e para escolher o canal certo, vale a pena saber onde o seu público está.

2 – Aplicativos

Os aplicativos também tornaram-se mídias online capazes de divulgar produtos e serviços. 

Assim, uma empresa de entrega de encomendas pode se cadastrar em uma plataforma e receber pedidos diretamente por lá.

3 – Criação de conteúdo

É sabido que materiais relevantes são a grande moeda de troca da internet. Por esse motivo, é importante que as empresas invistam na criação de conteúdos, como blog posts, e-mail marketing, boletins informativos, e-books, etc.

Dessa forma, além de divulgar o seu produto ou serviço, também é possível educar o seu público-alvo a respeito do seu negócio, o que contribui para aumentar a credibilidade da empresa no mercado.

Outra opção é usar o SEO, ou “otimização para os mecanismos de busca”, um conjunto de técnicas que melhora a classificação da sua página web nos sites de pesquisa, como o Google.

Conclusão

As mídias online estão em alta. Com inúmeros formatos, elas são capazes de divulgar a sua empresa para uma grande audiência e construir uma forte presença da marca.

Diante do crescimento exponencial do número de usuários da internet, investir em mídias online tornou-se uma obrigação, não mais um diferencial. 

Por esse motivo, a procura por soluções em Marketing Digital é cada vez mais frequente e necessária.

 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.