Qual é o valor de uma bolsa Dior no Brasil?

A Dior é aquela grife que se baseia em facetas de sofisticação e sentimento. Esses elementos se mostram indeléveis em todas as estações da Dior e foram refletidos, de uma maneira ou de outra, em jaquetas, vestidos e, principalmente, em bolsas.

Consistentemente parte da lista das marcas mais influentes internacionalmente, a Dior, agora de propriedade da LVMH, registrou uma receita de € 10,4 bilhões, um aumento de 15%, durante o primeiro trimestre de 2017. Segundo o site da LVMH, essa subida nas estatísticas é atribuído em grande parte às fortes vendas de moda e artigos de couro. 

Dos encantos “D.I.O.R” que pendem livremente aos padrões de cannage que adornam o exterior de cada bolsa, cada pequeno detalhe contribui amplamente para esse aparente sucesso da marca e sua capacidade de se apaixonar por uma grande maioria de mulheres. Agora, vamos fazer uma viagem pelo repertório de bolsas Dior e descobrir os preços dos três modelos mais famosos no Brasil.

LADY DIOR

A Lady Dior é a filha do pôster da casa, e uma das duas bolsas de luxo nomeadas como uma homenagem à realeza. A bolsa Lady Dior, como a Hermès ‘Kelly’, traça seu nome a partir de um sangue azul, Diana of Wales, para ser exato. 

Originalmente nomeada como “Chouchou”, que significa “favorita” em francês, a bolsa foi projetada em 1994 pelo chefe da criação Gianfranco Ferré, e mais tarde recebeu seu novo nome em 1995. Inspirada nas cadeiras de Napoleão III que revestiam o ateliê do Sr. Dior , o acolchoamento do cannage no corpo da bolsa o equipa com um toque distinto e permite que ele se separe de outras bolsas de grife. 

A Lady Dior também vem com os encantos pendurados “D.I.O.R” que respiram um ar jovem. Desde a sua criação, a bolsa viu uma enorme variedade de enfeites, desde o maximalismo de Galliano até o minimalismo de Simons e agora o feminismo de Chiuri. 

Esse estilo de bolsa tem 4 tamanhos: micro, mini, médio e grande. Confira os valores aproximados de cada um, abaixo.

Micro: R$ 8.000,00

Mini: R$ 10.000,00

Médio: R$ 17.000,00

Grande: R$ 20.000,00

MISS DIOR

Embora a ‘Lady Dior’ possa ser facilmente comparada à bolsa clássica da Chanel em termos de popularidade, a ‘Miss Dior’ é paralela à última em termos de forma e função. A ‘Miss Dior’ cresceu fora das sombras da ‘Lady Dior’, bem como da imagem de ser um nome de fragrância, e se estabeleceu como um dos principais estilos da marca. 

Uma bolsa que pode acompanhá-la do dia para a noite, do casual ao formal, e você se sente elegante e organizada, independentemente da aparência descontraída. Coberta de pele de carneiro flexível e com a mesma costura acolchoada de cannage, a ‘Miss Dior’ é a prima da ‘Lady Dior’ que é tão versátil que pode ser usada com praticamente qualquer coisa.

Confira os valores aproximados de cada modelo da Miss Dior, abaixo.

Médio: R$ 15.000,00

Grande: R$ 18.000,00

DIORAMA

No cenário da moda contemporânea, foi Galliano que trouxe ao público a estética ultra-feminina da casa da Dior. Durante os 16 anos de posse do estilista nascido em Gibraltar, ele foi capaz de revitalizar o gigante da moda que estava profundamente adormecido. 

Desde a saída do notório designer, outros dois nomes foram selecionados para elevar a marca – Raf Simons e Maria Grazia Chiuri. Os designers belgas e italianos emprestaram um toque de suas personalidades à marca, que se refletiram nos novos estilos que exibiram em suas respectivas vitrines da Dior.

No desfile da primavera de 2015, a Diorama brinca com arquitetura limpa em um design de moda.

A Diorama é uma ótima opção se você quer uma bolsa feminina atemporal que possa ser transportada durante o dia, mas que funcione lindamente à noite. Uma beleza clássica, atemporal e limpa, pronta para ser carregada por muitas nos próximos anos. A Diorama custa em torno de R$ 10.000,00 em sua versão pequena em pele de bezerro comum e R$ 30.000,00 na versão média em crocodilo brilhante.

 

 

Pangolim e coronavírus: entenda sua relação com o surgimento da pandemia e com o comércio ilegal de animais selvagens

Evidências da relação entre o animal e o surgimento da doença fortalecem debate sobre proibição da atividade ilícita

Desde que o novo coronavírus se espalhou e obrigou boa parte da população mundial a adotar medidas de distanciamento social para tentar diminuir o número de casos, cientistas de todo o globo têm tentado descobrir a origem do COVID-19.

A resposta mais provável é que tenha sido de algum animal selvagem. O maior suspeito, inicialmente, era o morcego. Mas novas pesquisas também relacionam o vírus ao pangolim. Há evidências de que o animal possa ser um dos hospedeiros que ajudaram o parasita a encontrar os humanos.

Pangolins ou morcegos?

As pesquisas ainda não são conclusivas, mas as duas espécies podem ter relação com o surgimento do novo coronavírus. A busca por essa resposta começa nas primeiras pessoas com casos confirmados, frequentadoras de um mercado de frutos do mar que também vendia animais selvagens, em Wuhan, na China.

Como a suspeita é de que o novo coronavírus tenha infectado os primeiros humanos no continente asiático, as espécies nativas de lá têm sido as mais estudadas. O objetivo é descobrir em qual animal o Sars-CoV-2 surgiu e qual foi o caminho que ele percorreu até chegar a nós.

Os vírus que apresentam mais semelhança com o do novo coronavírus foram identificados nos morcegos. No entanto, outros tão semelhantes quanto foram identificados nos pangolins.

Um detalhe importante que tem chamado a atenção dos pesquisadores é que a estrutura que o vírus nos pangolins usa para se conectar com as células é mais

parecida com a dos humanos. A dos morcegos costuma ser bem diferente nesse aspecto específico.

Talvez os dois?

Com essas evidências, uma terceira teoria tem ganhado força: o coronavírus que contamina os humanos pode ser resultado de uma mistura genética entre os vírus de morcegos e pangolins.

Desse modo, o pangolim pode ter sido o intermediário entre os morcegos e os humanos. O processo é comum entre os vírus e foi mais ou menos o que aconteceu com o H1N1, que tem genes semelhantes aos de porcos e aves.

O que o comércio de animais selvagens tem a ver com isso?

O comércio de animais selvagens deve estar diretamente relacionado com toda essa situação. Se qualquer uma dessas teorias for confirmada, a passagem do vírus desses hospedeiros para os humanos deve ter se dado, provavelmente, pelo consumo desses animais.

Bichos selvagens são populares em mercados da Ásia, como o que pode ter dado origem à pandemia. O pangolim é, entre eles, o mais comercializado ilegalmente em todo o mundo. Estimativas dizem que pelo menos 100 mil mamíferos dessa espécie sejam vendidos por ano, especialmente, na China e no Vietnã.

Nesses países, as escamas do mamífero costumam ser amplamente utilizadas na medicina tradicional por isso, o pangolim-malaio está, inclusive ameaçado de extinção.

Cientistas e ativistas já argumentam há tempos que a prática de consumir bichos exóticos é um perigo para a saúde humana, debate que agora ganhou força. Os estudiosos alertam que já foram identificados milhares de vírus que podem ser graves para os humanos nesses animais.

O consumo de bichos selvagens é tradicional em muitos países asiáticos, mas seus praticantes são acusados de dizimar espécies e destruir habitats. Esse costume ainda coloca os humanos diretamente em contato com os vírus desses animais, contra os quais, geralmente, não temos anticorpos.

Quem ainda não é contra esse tipo de comércio, mesmo quando essa pandemia for controlada, deveria finalmente aprender que os animais selvagens são hospedeiros muito prováveis para outros parasitas, como os citados aqui, e deixá-los em paz. Talvez seja a hora de repensar a tradição em benefício da saúde coletiva e da conservação de todas as espécies.

Projetos de lei pedem a redução obrigatória das mensalidades da rede privada de ensino diante da contingência pelo coronavírus

Proposta é válida para os ensinos fundamental e médio e os descontos seriam de, no mínimo, 30%

O mês de fevereiro ficou marcado em todo o mundo pelo início das infecções causadas pelo novo coronavírus na China. Pela segurança de todos, desde meados de março, diversos estados brasileiros impuseram o isolamento social e a quarentena para tentar reduzir as chances de disseminação da doença.

Serviços e estabelecimentos considerados essenciais, como coleta de lixo, delivery, agências bancárias, supermercados, padarias e aqueles relacionados à saúde, puderam se manter em funcionamento. As demais instituições foram temporariamente suspensas.

As atividades escolares estão entre aquelas que foram paralisadas, tanto na rede pública quanto na privada, e há países, como os Estados Unidos, que até chegaram a cancelar as aulas até o final do ano letivo.

Situação no Brasil

Alguns governos chegaram a propor o sistema de aulas virtuais para os alunos das redes públicas de ensino e ainda estão avaliando como seria a dinâmica diante do cenário vivido em todo o mundo e do fato de que nem todos os estudantes têm acesso à Internet banda larga.

Nas escolas privadas, o ensino a distância se tornou uma alternativa para manter os alunos ativos, enquanto algumas instituições decidiram antecipar as férias de julho para abril, a fim de minimizar os efeitos da quarentena no calendário letivo.

O senador Rogério Carvalho (PT-SE) apresentou o projeto de lei PL 1.163/2020 que obriga as instituições de ensino fundamental e médio da rede privada a darem descontos de, no mínimo, 30% em suas mensalidades durante o período de quarentena.

Notícia divulgada no site do Senado indica que as universidades particulares também seriam afetadas, desde que não consigam desenvolver atividades remotas, e o projeto prevê multa às instituições que não cumprirem a proposta.

Oposição em relação ao desconto

O projeto segue para votação e causa polêmica, já que entidades representantes das instituições de ensino criticaram a proposta e alguns colégios destacam que não conseguem diminuir o valor da mensalidade por conta da tecnologia que precisam empregar para manter o ensino a distância.

Se para algumas é inviável, há escolas que por si só optaram por dar descontos às famílias ao entenderem que este é um momento difícil e que afetou a renda de muitos.

Redução das mensalidades na capital paulista

O deputado estadual Rodrigo Gambale também apresentou proposta na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) para tornar obrigatória a redução proporcional da mensalidade escolar durante o Plano de Contingência do Estado para conter a COVID-19. Sob o número 203/2020, o projeto de lei foi publicado no dia 3 de abril e segue em tramitação.

Em entrevista ao portal UOL, Rodrigo Gambale afirmou que a proposta foi feita levando em conta a perda de renda das famílias e não o fato de que as escolas não estão funcionando ou trabalhando, pois, segundo ele, “os pais de família não estão tendo condições de pagar”.

A União Nacional dos Estudantes (UNE) também defende que as instituições deem descontos nas mensalidades, sem especificar a porcentagem por julgarem que cada escola e universidade tem uma realidade individual.

Para Iago Montalvão, presidente da UNE, deve existir um subsídio do governo ou isenção fiscal para que os salários dos professores e demais profissionais das instituições de ensino não sejam prejudicados durante o momento sensível de isolamento social que vivemos.

Diminuição do ano letivo

No dia 1 de abril, o governo federal publicou a Medida Provisória (MP) 934/2020 que dispensa as instituições de ensino básico e universitário a cumprirem o mínimo de 200 dias letivos, determinado pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação, embora mantenha a carga horária de 800 horas/aula por ano.

Os maiores desafios de pessoas idosas ou com mobilidade reduzida durante a quarentena — e como amenizá-los

Entenda os problemas enfrentados por aqueles que fazem parte do grupo de risco e saiba como ajudá-los

Em épocas normais, optar por uma passagem da Viação Garcia seria uma escolha adequada para os idosos ou pessoas com problemas de mobilidade: os ônibus da companhia são confortáveis, bem equipados e atendem a todos os tipos de público.

Nas circunstâncias atuais, no entanto, a ideia de ir para longe está fora de questão. A Organização Mundial da Saúde (OMS) tem solicitado a todos que permaneçam em casa, como forma de tentar diminuir a contaminação pelo novo coronavírus, micro-organismo que tem causado impacto em todo o globo.

Não por acaso, afinal a COVID-19, doença causada pelo vírus já citado, infelizmente, já vitimou milhares de pessoas. Os números tendem a continuar altos nos próximos meses, mas podem ser menos agressivos se permanecermos em isolamento social.

Não se pode negar que estar em quarentena, no entanto, é mais difícil para algumas pessoas: indivíduos de idade, que moram sozinhos e distante da família, podem encontrar dificuldades para reorganizar a rotina.

Muitas vezes, idosos não têm o hábito de utilizar a Internet e dispositivos que permitam a troca de mensagens de maneira rápida. Assim, encontrar atividades prazerosas ou manter-se em contato com amigos e família pode ser um desafio.

Da mesma forma, pessoas com algum tipo de deficiência, especialmente, se não moram com membros da família ou companheiro, podem se sentir desatendidas e encontrar algumas dificuldades para manter a normalidade da vida.

Neste artigo, listamos alguns dos problemas mais comuns enfrentados por ambos os grupos e fornecemos dicas para auxiliar as pessoas que se encontram nas situações citadas. Confira.

Problemas enfrentados por idosos: como diminuir a exposição

Possivelmente, o maior desafio enfrentado pela população idosa durante o surto do coronavírus é a exposição. Sendo parte do grupo de risco — afinal, os impactos da doença tendem a ser mais severos em pessoas a partir dos 60 anos —, qualquer ida ao mercado pode causar preocupações.

A recomendação da OMS é clara: é preciso evitar qualquer tipo de aglomeração. Infelizmente, há quem não tenha quem possa fazer as compras, ir à farmácia e similares. Assim, vemos muitos idosos nas feiras e nos mercados.

Algumas empresas têm facilitado o sistema de delivery, como forma de incentivar o isolamento social. Se você mora em um condomínio, pode imprimir opções de serviços de entrega e colocá-los sob as portas dos seus vizinhos idosos.

Caso você tenha ido ao supermercado semanalmente, também pode se oferecer para fazer as compras por eles. É uma gentileza que, se praticada por diversos jovens, também pode ter impacto positivo na saúde física e mental dos idosos.

Dificuldades compartilhadas

Tanto a população idosa quanto aqueles que têm dificuldade de mobilidade podem se encontrar em momentos de tédio e melancolia durante a época da quarentena.

De acordo com o que tem sido divulgado por especialistas da área da saúde, a melhor opção nesse momento é buscar maneiras positivas de ocupar a cabeça e não cair na tentação de assistir aos noticiários durante todo o dia.

Pode parecer confortável ficar no sofá, passeando pelos canais da televisão, mas isso é extremamente prejudicial para a saúde do corpo e da mente: o excesso de informação e o sedentarismo, aliados à tensão do momento presente, podem propiciar o desenvolvimento de quadros de depressão, pânico e ansiedade.

Recomenda-se aos indivíduos que entrem em contato com seus médicos e informem-se sobre limitações, indicações de atividade física e afins. Há inúmeros educadores físicos que, no momento da quarentena, têm oferecido aulas gratuitas — as quais, inclusive, têm circulado até nos aplicativos de mensagens instantâneas.

Além disso, há psicólogos e especialistas em saúde mental oferecendo atendimento emergencial através da Internet, especialmente, para quem está sozinho no momento

da quarentena ou tem se sentido sufocado pela especificidade e gravidade da pandemia.

O apoio da família é fundamental

Se os membros distantes da família não têm o costume de utilizar a Internet, aparelhos celulares e aplicativos que permitam a comunicação em tempo real, cabe aos demais incentivá-los a fazer uso das possibilidades da tecnologia. Converse com amigos, colegas e conhecidos sobre as possibilidades e serviços que têm sido oferecidos on-line.

Se tiver um tempo, faça uma lista de aulas, palestras e afins gratuitos que podem ser interessantes e divulgue-a — nem que seja em um pedaço de papel, escrito à mão. Um dos maiores desafios tem sido pensar coletivamente. Assim, qualquer atitude que vise o bem-estar do outro é incentivada e necessária.

Usina solar flutuante é um projeto de teste que pode ser ampliado na capital paulista

Sendo uma fonte de geração de energia limpa e renovável, a ideia tem conquistado um espaço cada vez maior em diversas partes do mundo. De acordo com informações da Secretaria Estadual de Infraestrutura e Meio Ambiente (Sima-SP), a usina foi implantada na represa Billings, através de uma parceria entre a Empresa Metropolitana de Águas e Energia (EMAE) e a Sunlution Soluções em Energia.  

 A usina solar ainda é um projetopiloto, que iniciou a sua operação no dia 28 de fevereiro e deve funcionar em regime de testes por 90 dias. Com 100 kilowatts de potência e ocupando uma área de 1.000 m², a usina é resultado de um investimento de R$ 450 mil em equipamentos.  

Usina solar flutuante deve ser replicada em outras represas da capital paulista 

A intenção inicial do projeto é que a estrutura gere energia suficiente para alimentar um dos escritórios da EMAE. O secretário da Sima-SP, Marcos Penido, afirmou que a iniciativa é fruto e trabalho do órgão focado no desenvolvimento de políticas públicas para a preservação do meio ambiente.  

 O teste realizado com a implementação da primeira usina solar do estado de São Paulo busca viabilizar a implantação de mais usinas fotovoltaicas em reservatórios da capital paulista. A expectativa é que o projeto se torne viável para que a EMAE abra uma chamada pública para parcerias de expansão. 

Usina solar em parque público de São Paulo gera uma economia de R$ 270 mil por ano 

Localizada em um bolsão no estacionamento do Parque Cândido Portinari, outra usina solar fotovoltaica foi inaugurada em São Paulo, ainda durante o governo de Geraldo Alckmin.  

 A estrutura conta com 2.095 módulos fotovoltaicos e faz a cobertura de 264 vagas de estacionamento do parque, ocupando uma área de 3.400 . Desde então, as instalações do Parque Cândido Portinari e do Parque Villa-Lobos, localizados na zona Oeste da capital paulista, são abastecidas por energia solar.  

Na época da inauguração, Geraldo Alckmin, então governador em exercício, afirmou que a cidade de São Paulo é pioneira em soluções de energia renovável e que a usina economizaria cerca de R$ 270 mil por ano. 

 O projeto foi idealizado pela Secretaria de Energia e Mineração do Estado de São Paulo e executado pela Companhia Energética de São Paulo (CESP), contando com o apoio da Sima-SP e de empresas privadas. O investimento total da usina ficou na casa dos R$ 17 milhões.  

Novas fontes de energia renovável em São Paulo favorecem o meio ambiente e reduzem custos  

Para o professor de engenharia elétrica da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Anderson Jucá, a nova usina solar flutuante agrega mais valor ao uso das represas e contribui para a futura ampliação de uma base de energia solar, sustentável e limpa no estado de São Paulo. 

 O especialista também aponta que aumentar a oferta de geração de energia solar na maior metrópole do país é uma alternativa viável para baratear os custos do sistema de energia elétrica do estado. 

 Jucá ainda destacou que alguns pontos devem ser observados, como a ancoragem da usina, o impacto da estrutura na fauna presente no reservatório e os custos de manutenção. Esses pontos são cruciais para viabilizar o projeto teste e ampliar a sua atuação em maior escala. 

 De acordo com o especialista, um teste de três meses não seria suficiente para avaliar todos os pontos necessários para a viabilidade e adaptação do projeto. Segundo ele, questões como a sazonalidade precisam ser consideradas, antes da ampliação.  

Exposição em Poços de Caldas homenageia 28 mulheres que se destacam na cidade

Desde 2012, vivemos o que é apontado por estudiosos como a quarta onda do feminismo. A luta pela igualdade de direito entre os gêneros teve diversas fases, ao longo da história, e a atual é, geralmente, relacionada com a disseminação da discussão através das redes sociais. 

 

 

O Shopping Poços de Caldas, na cidade de mesmo nome, no Sul de Minas Gerais, recebe, durante todo o mês de março, a exposição Mulheres Notáveis.  

Além da imagem feminina 

O evento, que teve abertura oficial no dia 3 deste mês e vai até o dia 31 de março, homenageia figuras femininas importantes da cidade. A programação faz parte da agenda de comemorações do mês em que é celebrado o Dia Internacional da Mulher.  

 A expografia da mostra foi construída com fotos das 28 homenageadas pela curadoria do evento. Além das imagens, estão a biografia de cada uma delas. Lado a lado, estão economistas, professoras, arquitetas, médicas, artistas plásticas e outras profissionais de diversos setores. Quem não estiver na cidade e se interessar pela mostra, pode utilizar as linhas da Viação Gardênia para chegar até o charmoso município mineiro. 

 A exposição acontece todos os anos desde 2016, chegando a sua quinta edição em 2020. Em nota oficial, a administração do Shopping Poços de Caldas diz que se sente honrada por fazer parte da história de algo tão importante e inspirador. 

 O centro de compras é considerado um dos mais importantes das regiões do Sul de Minas e do Leste Paulista. Por isso, e pela quantidade de pessoas que circulam o espaço todos os dias, é o lugar ideal para trazer a tona o importante papel das mulheres no mundo. 

Desigualdades de gênero 

Os resultados de uma pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, entre 2012 e 2018, mostram que as mulheres ganham menos que os homens em todos os setores da economia. Em média, pessoas do gênero masculino ganham até 20,5% a mais que as do feminino. 

 Dados se tornam ainda mais alarmantes quando olhamos para os números de mortes motivadas pelo ódio de gênero, em especial o feminicídio. O Brasil é o quinto país em mortes violentas de mulheres no mundo. Os números, infelizmente, só crescem. Em 2019, por exemplo, houve um crescimento de 7,3% desses casos em relação ao ano anterior. 

 A igualdade salarial, a oposição e luta contra a violência são exatamente os pontos centrais dos direitos exigidos pelas lutas alinhadas com a quarta onda do feminismo. Por isso, celebrar mulheres que conquistam seu espaço numa sociedade machista é tão importante. 

Histórico de batalhas e conquistas 

O feminismo, como um todo, teve origem paralela a revoluções liberais que questionavam o privilégio a partir de ideias iluministas. Destacam-se, entre essas, a Revolução Francesa e a Revolução Americana. Um marco do movimento no Brasil é o direito das mulheres ao voto. Até 1932, somente homens podiam votar no país. 

 Uma referência mais antiga é o direito de meninas frequentarem as escolas, que aconteceu 1827. E só em 1952 as mulheres teriam seu primeiro jornal oficial. Criado e editado exclusivamente por mulheres, o Jornal das Senhoras foi um importante meio de comunicação na disseminação das ideias feministas. 

 Até 1879, porém, as mulheres não eram aceitas em faculdades. Só em 19 de abril desse mesmo ano é que um decreto de lei nacional permitiu que elas pudessem ser oficialmente estudantes do ensino superior. 

 Dados recentes também chocam. Até 1979, as mulheres não eram autorizadas a praticar todos os esportes. Já no milênio dos anos 2000, foi só em 2002 que o Código Civil retirou a possibilidade de anulação do casamento caso a mulher não fosse virgem antes da cerimônia e, somente em 2006, a Lei Maria da Penha foi criada. 

As invenções que mais impactaram o curso da história humana

Desde os primórdios, a humanidade lida com dilemas e a necessidade de resolvê-los. Alguns nomes são conhecidos, outros só se sabe a época, mas as tecnologias que mudam a vida das pessoas, hoje em dia, foram pensadas e criadas por alguém, muitas vezes para algum uso muito diferente do que estamos habituados.  

 

 

Para conseguir transportar objetos e coisas pesadas com mais facilidade, em 3500 a.C., foi criada a roda, considerada a invenção mais importante do homem em toda a história. Energia elétrica, penicilina, o telefone e outras criações impactaram, definitivamente, a vida de muitas gerações. Confira uma lista com invenções que mexeram com o curso da humanidade.  

A roda 

Os primeiros registros do uso da roda são da Mesopotâmia e Europa Central, no quarto milênio antes de Cristo. Até os dias atuais, tem-se pouca certeza sobre qual dos povos, realmente, foi o pioneiro na utilização da ferramenta, pois as duas marcas são em períodos muito próximos.  

 O que não se discute é a sua funcionalidade e como essa invenção revolucionou a vida humana. Carruagens, carroças e até os mais contemporâneos modelos de veículos, todos foram possíveis graças ao mecanismo que reduz o arrasto, aumentando a velocidade e exigindo menos força.  

Bússola 

Instrumento que usa o magnetismo para determinar a orientação, a bússola foi criada para ajudar os navegadores a saírem com maior segurança para as viagens, pois tinham noção da roda a ser seguida. Com os primeiros registros encontrados na China, a bússola passou por transformações até chegar no modelo pequeno que conhecemos hoje.  

 Imprensa 

Uma invenção que facilitou o acesso das pessoas ao conhecimento e informação. O primeiro item da lista que tem data e responsável definidos: o alemão Johannes Gutenberg, criou, em 1439, um equipamento que transmite tinta de uma prensa móvel para o papel.  

 Graças a essa criação foi possível desenvolver jornais e começou, daí, o mercado da imprensa e comunicação, até evoluir para o que conhecemos atualmente. Até hoje, Gutenberg é chamado de pai da imprensa e foi dono do primeiro jornal. 

Fotografia 

Antes do século XIX, a única maneira de retratar pessoas e paisagens era por meio de pinturas. Mas, em 1826, Joseph Nicéphore Niépce criou a primeira imagem fotográfica da história, e colocando prata na ferramenta, foi possível guardar as imagens produzidas. Essa invenção foi o que permitiu, posteriormente, a criação do Cinema, reproduzindo essas imagens em velocidade capaz de criar movimento.  

Cartão de crédito 

Hoje em dia, é muito comum as pessoas utilizarem o cartão para pagar suas compras. Essa facilidade só é possível graças à introdução dessa tecnologia desenvolvida, em 1958, pelo Bank of América.  

 O cartão de plástico com um chip, e as informações do dono, facilitou a vida das pessoas para que não precisassem andar com dinheiro e agilizar os pagamentos mediante senha. A tecnologia, que foi um derivado da moeda e da cédula de dinheiro, evoluiu para cartões com aproximação e pagamento via NFC.  

GPS 

A sigla, em inglês, para sistema de posicionamento global dá nome a um aparelho que veio para substituir outras ferramentas de navegação, como a já citada bússola e o mapa. O satélite envia ao sistema GPS, antes próprios e, hoje, comumente encontrado em veículos e celulares, a geolocalização em tempo real.  

 Uma curiosidade interessante do GPS é que, como muitas das invenções que usamos no nosso cotidiano, também foi criado com objetivo voltado para uso militar, para garantir precisão na entrega de armas e evitar proliferação de outros sistemas dentro do exército americano.  

Internet 

Criada para transmitir dados através de uma rede e descentralizar informações, a fim de evitar a perda total delas em caso de ataques nucleares, a ARPANET surgiu nos Estados Unidos, no período da Guerra Fria, em 1969. Algum tempo depois, Vint Cerf e Bob Kahn criaram um sistema que permitisse a troca de dados entre computadores. Era criada ali a Internet.  

 Atualmente, a Internet é o principal meio de comunicação e informação e está presente na vida de bilhões de pessoas ao redor do mundo. Graças a ela é possível acompanhar notícias em tempo real, utilizar as redes sociais e fazer diversas operações financeiras em segundos.  

 É possível citar centenas de outras invenções que estão totalmente inseridas na nossa realidade atual, como a energia elétrica e a canalização do esgoto. Muitas ferramentas foram, e continuam sendo, inventadas, aprimoradas, atualizadas e melhoradas, a fim de tornar a vida humana mais simples. E você, qual dessas invenções considera a mais importante para sua vida? 

13 anos após sua criação, iPhone é escolhido para filmagem de clipe de Lady Gaga

Lady Gaga retornou ao mundo da música pop fazendo barulho, como de costume. A sua nova música, Stupid Love, ganhou um clipe oficial, e os equipamentos de filmagem escolhidos para fazer parte desse grande evento foram somente o iPhone 11 Pro e alguns itens auxiliares, como drones e estabilizadores. 

 

 

Essa informação foi repassada pela cantora através da hashtag #ShotOniPhone no Twitter, pela própria Apple e pelo diretor do clipe, Daniel Askill, que declarou que “as câmeras são incríveis” e que “foi uma experiência fantástica trabalhar com esses equipamentos de novas maneiras”. 

 Ao menos três aparelhos foram colocados no steadicam — um estabilizador de câmeras usado por cinegrafistas, semelhante a um exoesqueleto — e outro colocado em um drone profissional. 

De acordo com o diretor, a ideia era utilizar os celulares da mesma forma que grandes câmeras profissionais. Ele acrescenta que “o resultado foi surpreendente para todo mundo”. 

Ao ser entrevistado pela imprensa dos Estados Unidos, Askill disse que todas as três lentes do iPhone foram usadas nas gravações, especialmente a teleobjetiva e a grande-angular. Ele revelou, ainda, mais detalhes sobre a superprodução. 

“Filmamos quase todas as cenas com qualidade 4 K. Além disso, um dos celulares estava filmando a 24 fps (frames por segundo), enquanto outro filmava, ao mesmo, tempo a 48 fps, para dar uma sensação de slow-motion. Não seria possível fazermos isso se estivéssemos usando apenas uma câmera normal”, esclareceu. 

 Outro acessório peculiar utilizado durante a filmagem pela equipe de Daniel foi o aplicativo Filmic Pro, disponível na Apple Store do Brasil por R$ 54,90. O app capta as imagens e permite que elas sejam personalizadas, sendo essa personalização similar a de outras câmeras profissionais. 

 Por meio dele, é possível realizar o ajuste da exposição, do foco, do realce e da sombra, escolher o formato do vídeo, balancear as cores e definir a quantia de frames que são capturados a cada segundo, além de diversas outras opções. A Apple revelou, ainda, que foram utilizados outros softwares de edição de cunho profissional na reta final da produção. 

 No entanto, esse clipe não foi o primeiro a ser inteiramente gravado com um iPhone. Em 2019, a cantora Selena Gomez também efetuou uma parceria com a Apple para lançar dois clipes filmados pelo iPhone 11 Pro — Look At Her Now e Lose You To Love Me —  para o seu novo álbum, Rare. 

 Logo, o fato de Lady Gaga ter feito o mesmo, atualmente, indica, sim, o surgimento de uma nova possível tendência na indústria audiovisual. Ademais, antes das duas cantoras, artistas como Florence and the Machine e FKA Twigs também exploraram a qualidade da imagem da câmera do iPhone, transmitindo seus shows ao vivo através do modelo XS.  

Então a câmera do iPhone realmente é a melhor do mercado? 

Há controvérsias. O fato de iPhones estarem sendo utilizados na gravação de clipes é uma estratégia de marketing arquitetada pela Apple, que visa exibir a qualidade das lentes disponibilizadas por seus celulares. 

Porém, há outros modelos que disputam o título de melhor câmera de smartphone: o Huawei P30 Pro, da marca chinesa Huawei, e o Galaxy S20 Ultra, da Samsung são concorrentes da marca da maçã. 

 Se por um lado o iPhone 11 Pro tira fotos com as cores o mais próximas possível dos seus reais tons, o P30 Pro tira selfies mais claras quando há pouca luz e com uma melhor definição. Já o recém-lançado S20 Ultra grava em 8 K e possui um zoom de 100x. 

10 destinos imperdíveis para quem gosta de conhecer novos bares

Tomar um banho de mar ou de cachoeira, realizar uma trilha em uma região montanhosa, visitar museus e conhecer lugares históricos em um walking tour são algumas atividades possíveis durante uma viagem.  

Mas se você é daqueles que sempre para em uma banqueta de bar para degustar comidas e drinks quando está desbravando um local, são valiosas as dicas sobre quais lugares ir à noite ou no happy hour após um dia na praia. Confira, abaixo, dez destinos imperdíveis para quem gosta de bares. 

Casa Paladino, Rio de Janeiro 

Situada a apenas quatro minutos da estação de metrô da Uruguaiana, no centro da Cidade Maravilhosa, a Casa Paladino tem mais de 100 anos de existência. Com uma atmosfera que mistura botequim e armazém, o espaço dispõe de móveis de madeira antigos e pratos originais, conquistando o título de Patrimônio Cultural da cidade, em 2011. 

Entre os mais pedidos da Casa Paladina, estão o chope gelado acompanhado pelo sanduíche triplo, o mais famoso do estabelecimento, que reúne presunto, ovo e provolone no pão francês. Se gostar do que provar, é possível levar alguns itens para casa, como o bacalhau e as castanhas. 

Bar do Caldeira, Manaus 

Tombado como Patrimônio Cultural Imaterial do Amazonas, em 2015, o Bar do Caldeira oferece inúmeras opções para quem quer desfrutar da diversificada culinária amazônica: o capitão tambaqui, bolinho de pirão recheado de peixe temperado com ervas e gengibre, o torresminho do Caldeira e a famosa caipirinha de jambu. De terça a quinta, o estabelecimento oferece samba e chorinho ao vivo. 

Mocambinho Bar, Salvador 

Localizado no Largo Dois de Julho, o bairro mais boêmio da capital baiana, o Mocambinho Bar possui um ambiente aconchegante, com mesas ao ar livre. O bar se destaca pelo purê de abóbora com carqueja e pela famosa Cumbuca da Zira, que traz linguiça, farofa e saladinha de tomate com um toque de gengibre. Outra dica é a carne de fumeiro com purê de banana-da-terra e folhas de manjericão. 

Cachaçaria do Rancho, São Paulo 

Dono de uma feijoada deliciosa, acompanhada por um samba maravilhoso, aos sábados, esse bar se localiza na Praça Dom José Gaspar, no centro da cidade. Rodeado por árvores, o estabelecimento dá vida ao local e oferece mesas ao ar livre em seu no interior. Além das cachaças, o bar oferece uma boa caipirinha. 

Bodega do Véio, Recife 

Nascido em Olinda, o bar fez tanto sucesso que ganhou nova filial no coração do Recife Antigo, um dos lugares mais charmosos da capital pernambucana. Além do forró, que deixa poucas pessoas sentadas, o bar é marcado por quadros com ícones da cultura pernambucana — de caboclos de lança a Chico Science.  

Além do tradicional sarapatel e arrumadinho de carne de sol, o estabelecimento oferece um sanduíche original de pão francês com queijo do reino e pastrami. Cerveja gelada e boas opções de cachaça também não faltam aos visitantes. 

Amigão Bar, Brasília 

Presente na capital federal desde 1980, o estabelecimento tem como uma de suas marcas o delicioso joelho de porco. Outras opções no cardápio são a dobradinha e o chambaril — prato originário do Tocantins, feito com a carne da perna do boi, que fica acima da canela e abaixo do joelho. Além, claro, de diversas cachaças para acompanhar os quitutes. 

Queima Zóio, Florianópolis 

Fundado há apenas nove anos, o Queima Zóio se tornou um clássico do bairro do Rio Tavares, localizado no centro-sul da Ilha da Magia, como é conhecida a capital catarinense.  

Além das boas cachaças, o bar oferece uma boa dobradinha, cuidadosamente, preparada por Dona Rosa. Para animar o ambiente, os visitantes mais entusiasmados podem se esbaldar no Jukebox. 

Casa do Gilson, Belém 

Criado em 1997, o bar funciona no quintal da casa do Seu Gilson, artista plástico e músico, que dedica quase 30 anos ao chorinho. Além do samba de primeira, o local oferece cervejas geladas e petiscos, como o pirarucu frito, um dos maiores peixes de águas doces do Brasil, bastante encontrado na bacia Amazônica. 

Patorroco, Belo Horizonte 

É difícil honrar a tradição mineira de petiscos. Porém, o Patorroco não deixa a desejar. Um costume do Patorroco que faz sucesso é o tutu-bola, bolinho de tutu recheado com couve e carne suína, coberto pela crocância de um torresmo, e acompanhado de molho picante. 

Além da variada carta de cervejas, o bar oferece pratos ousados, como o vatapá de galinha caipira com camarão, acompanhado de angu branco com leite de coco e arroz com coentro. 

Bar do Fogo, Curitiba 

Conhecida por seus bares e pela intensa vida boêmia, Curitiba tem inúmeras opções de estabelecimentos bons para quem passa pela cidade. Um deles é o Bar do Fogo, que, além de cerveja gelada e bons petiscos, oferece jazz às quartas e samba às quintas. No inverno, os clientes podem degustar caldos, vinhos e quentão a bons preços. 

7 truques para otimizar seu site aos mecanismos de busca

Criar um site com aparência profissional e bem projetado não garantirá que seu site receba uma grande quantidade de tráfego ou aumente sua base de clientes. Se você deseja aumentar o tráfego que seu site recebe, precisará usar a otimização de mecanismo de pesquisa. A otimização de mecanismo de pesquisa refere-se a técnicas usadas para melhorar a visibilidade de um site e, portanto, classificar com os mecanismos de pesquisa.

A otimização de mecanismo de busca é uma parte incrivelmente importante da sua presença online. Se você usar o SEO corretamente, poderá melhorar a classificação do seu site nos mecanismos de pesquisa e direcionar mais tráfego para ele. Se você deseja que as pessoas encontrem seu site, é necessário usar o SEO no seu site. Normalmente, quando as pessoas pensam em SEO, elas pensam na copy que está em seu site. Muitos empresários garantem que usam determinadas palavras-chave nos artigos, postagens do blog ou copy em seus sites. No entanto, eles muitas vezes não conseguem tornar seu web design otimizado para o SEO. Você pode incorporar técnicas de otimização de mecanismo de pesquisa em mais do que apenas a copy do seu site. Existem alguns truques simples que você pode usar para tornar seu web design amigável para SEO também.

1. Integre as mídias sociais ao design do seu site

Os mecanismos de pesquisa valorizam as mídias sociais, assim como seus clientes em potencial. A incorporação de elementos de mídia social no design do seu site ajudará a classificar melhor com os mecanismos de pesquisa. Ao criar seu site, inclua seus ícones de mídia social e, para todas as suas contas de mídia social, como Twitter, Pinterest e Facebook. Isso não apenas classificará seu site mais bem entre os mecanismos de pesquisa, mas também mostrará aos clientes em potencial que sua empresa é gentil.

2. Use SEO para imagens também

Muitas pessoas otimizam apenas o texto em seu site e esquecem de fazer o mesmo com as imagens que usam. Se você otimizar as imagens que usa, poderá aumentar a classificação do mecanismo de pesquisa do seu site. Ao selecionar uma imagem para o seu site, verifique se ela não é muito grande. Idealmente, as imagens no seu site devem ter entre 30 e 100kb e ter uma resolução de 72dpi. Imagens muito grandes farão o seu site carregar lentamente e afetarão negativamente a classificação do seu mecanismo de pesquisa. Na seção de texto alternativo da imagem, use uma palavra-chave. Isso ajudará ainda mais o SEO do seu site. Coloque também imagens no seu site com cuidado. Quanto mais relevantes forem para essa página, mais ela melhorará a classificação do seu site.

3. Use JavaScript com moderação

Muitos sites cometem o erro de usar Javascript em todo o design do site. Os mecanismos de pesquisa rastreiam os sites para indexá-los e determinar sua classificação nos resultados. Se o seu site apresentar uma grande quantidade de Javascript, os mecanismos de pesquisa terão dificuldade para ler seu site, causando problemas de rastreamento. Além disso, o Javascript não funciona particularmente bem em dispositivos móveis. Você deseja torná-lo o mais simples e fácil possível para os mecanismos de pesquisa lerem seu site e deseja tornar seu site o mais amigável possível para seus visitantes.

4. Verifique se o seu URL é fácil de usar

O URL do seu site precisa ser amigável para o SEO, caso contrário, não será classificado como deveria. 

Por exemplo, um URL, como 

http://www.equipamentofitness.com/produtos/item2?=2128

Não é um URL amigável para SEO. Não ajuda os mecanismos de pesquisa a determinar sobre o que é essa página. 

Em vez disso, deve ser algo como 

http://www.equipamentofitness.com/loja/halteres

Além disso, tente limitar as categorias no link. 

Por exemplo, 

http://www.equipamentofitness.com/loja/halteres/10kg

Caso tenha muitas categorias. Além disso, se você precisar separar palavras no seu URL, use hífens, em vez de underline para fazer isso.

5. Coloque suas palavras-chave em muitos lugares diferentes

Muitas pessoas ao criar um site se concentram no uso de palavras-chave em seu copy, mas negligenciam todas as outras áreas. Não só as palavras-chave podem ser usadas em copy, como também podem ser incorporadas ao design de site em qualquer artigo do seu site . Como mencionado anteriormente, você também pode usar palavras-chave para otimizar imagens, mas também existem muitas outras áreas em que você pode usá-las. Eles podem ser usados ​​na tag title, tags H1, slogans de sites, meta descrições, meta keywords, navegação, tags H2, marcadores, atributo title em links, tags H3, trilhas de trilha de navegação, links de rodapé, URLs, nomes de arquivos, links internos e nomes de pastas.

6. Verifique se o seu site é responsivo

Se seu site não estiver completamente acessível, isso afetará suas taxas de conversão e sua classificação nos mecanismos de pesquisa. Seu site deve estar visível em todos os navegadores, pois, se não estiver, fará com que os visitantes saiam do site, sem comprar nenhum produto ou usar seus serviços. Se o seu site for carregado lentamente ou for difícil de navegar, é provável que tenha uma classificação baixa nos mecanismos de pesquisa. Verifique se o site parece correto em todos os navegadores e dispositivos móveis, se carrega corretamente e se você não usa imagens muito grandes.

7. Cuidado com os elementos Flash

Usar muito flash no seu site não pode apenas distrair os visitantes, mas também pode afetar a classificação do mecanismo de pesquisa. Se você usar elementos flash em seu site, será mais difícil para os mecanismos de pesquisa classificarem seu site. Isso ocorre porque o flash é frequentemente ignorado ou desvalorizado pelos mecanismos de pesquisa, o que significa que ele não acrescenta nada ao SEO do seu site. Se você usar o flash no seu site, faça-o com moderação.

Ao tornar seu web design mais amigável para SEO, você pode melhorar a visibilidade da sua empresa. Faça algumas alterações simples no seu site esta semana e veja como isso afeta a classificação do mecanismo de pesquisa do seu site.